sábado, 28 de maio de 2016

Titulos Epoca 2015/2016

Campeonato Distrital da 1º Divisao:Sport Clube MIneiro Aljustrelense
Campeonato Distrital da 2º Divisao:Despertar Sporting Clube
Taça de Honra da 2º Divisao:Futebol Clube Castrense B
Taça do Distrito de beja em seniores:Sport Clube Mineiro Aljustrelense
Supertaça do Distrito de Beja em Seniores Sport Clube Mineiro Aljustrelense
Campeonato Distrital de JUniores :C D Praia Milfontes
Taça do Distrito de Juniores:S:C.Odemirense
Taça Armando Nascimento:Despertar Sporting Clube
Campeonato Distrital de Juvenis:Despertar Sporting Clube
Taça Melo Garrido:Moura  Atletico Clube
Campeonato Distrital de Iniciados:Sport Clube Odemirense
Campeonato Distrital de Infantis:Sporting Clube Cuba
Taça DR Covas Lima:Despertar Sporting Clube
Campeonato Distrital de Futsal :SCFerreirense
Taça do Distrito de Futsal:N S Leões de Almodovar
Supertaça do Distrito de Futsal:Sporting Clube Ferreirense
Campeonato distrital de Futsal Feminino:SCOdemirense
Taça do Distrito de Beja de Futsal Feminino:SCOdemirense
Campeonato Distrital de JUNiores A de Futsal;Grupo Desportivo Cultural Baronia
Taça do Distrito de beja de Futsal de JUN Iores A:NSLeoes de Almodovar

Campeonato Distrital de Infantis Fase Final

JORNADA 14
Classificação

sexta-feira, 27 de maio de 2016

VII Torneio Interassociações sub14

O VII Torneio Vidigueira Interassociações sub14 realiza-se no sábado, dia 28 de maio
Seleções
A vila de Vidigueira recebe no próximo dia 28 de maio de 2016, sábado, a VII edição do Torneio Vidigueira Interassociações sub14, que conta com a presença das seleções distritais da AFBeja, AF Évora, AF Algarve e AF Portalegre. Os jogos têm início marcado para as 10H00 no Estádio Municipal de Vidigueira, estando as finais marcadas para as 16H30. O Torneio conta com o apoio institucional do Município de Vidigueira.

1.º jogo: 10H00
AFBeja - AF Évora
2.º jogo: 11H30
AF Portalegre - AF Algarve

Finais: 16H30

CARTAZ DO TORNEIO
Fonte: AFBeja.com

Torneio Amizade

Portalegre organiza a 3.ª edição do Torneio da Amizade
Seleções
O Torneio da Amizade faz parte do plano de preparação das seleções distritais de Sub14 e Sub13 das Associações de Portalegre, Algarve, Beja e Viseu. A prova teve o seu início em 2014, com a realização da 1.ª edição na região do Algarve. A 2.ª edição foi organizada no distrito de Beja com organização da AFBeja. Cabe agora à AF Portalegre a organização desta 3.ª edição, que se realiza nos próximos dias 4 e 5 de junho de 2016 em Elvas.
CARTAZ DO TORNEIO 
Fonte: AFBeja.com

CD Praia de Milfontes precisa de mais espaço

O espaço (ou a falta dele) é uma das grandes dificuldades do Praia Milfontes, como reconhece ao "SW" o vice-presidente do emblema azul-e-branco, António Friezas.
"Dado o número de atletas que temos e as condições existentes, está a começar a ser muito difícil trabalhar", assume o dirigente, considerando ser necessária "uma infra-estrutura nova ou ver a actual aumentada".
"É nisso que estamos a trabalhar em conjunto com o Município [de Odemira], para que possamos alavancar e sustentar o patamar em que estamos", acrescenta António Friezas.

Fonte:  http://www.jornalsudoeste.com/

Praia de Milfontes irá subir naturalmente"

Concluída a época 2015-2016, o vice-presidente do Praia de Milfontes, António Friezas, garante que não ter sido campeão distrital de Beja não constituiu uma desilusão.
Em entrevista ao "SW", Friezas elogia o trabalho que o clube tem realizado ano após ano e mostra-se confiante num futuro de triunfos.
"O trabalho que temos feito e o desempenho que temos tido nos vários escalões ao longo destes anos faz com que se um ano subirmos de divisão isso seja natural", afiança.

Foi uma desilusão o Praia Milfontes não ser campeão distrital e subir de divisão?
Não! Não foi uma desilusão porque o nosso objectivo não era subir. Estivemos em primeiro muito tempo, mas o campeonato é longo e termos ficado em segundo é um lugar que nos honra. E vamos à Taça da Portugal [da próxima época]! Nem todos podem ganhar e foi o que aconteceu, não nos calhou em sorte desta vez.

Mas depois de tantas jornadas na liderança, o título e na subida chegaram a ser um objectivo ou não?
É lógico que sim! Mas o trabalho que temos feito e o desempenho que temos tido nos vários escalões ao longo destes anos faz com que se um ano subirmos de divisão isso seja natural. Poderia ter acontecido este ano, poderá acontecer no próximo ou no outro… Isso irá acontecer naturalmente! Tem acontecido nos outros escalões e poderá acontecer nos seniores em qualquer uma das épocas que se avizinha. Porque quando se trabalha de forma séria e bem, os resultados acabam por aparecer.

O que faltou à equipa para segurar a liderança até ao fim?
Acabou por faltar a "estrelinha de campeão". E por outro lado, o facto de termos um plantel curto, com castigos e lesões, acabou por dificultar bastante a tarefa de nos mantermos no primeiro lugar.

Agora é tempo de preparar a nova temporada. Fernando Candeias vai continuar no comando técnico do Praia Milfontes em 2016-2017?
Estamos a trabalhar na próxima época e a equipa técnica é uma das nossas tarefas. Em breve se saberá da continuidade da actual equipa técnica.

Poderá haver novo treinador?
O mais certo será a continuidade [do Fernando Candeias]…

E em relação ao plantel? Haverá muitas mexidas?
Não contamos fazer muitas mexidas. Vamos com certeza juntar mais alguns jogadores aos que temos, alguns também poderão sair, mas será mais um ano de estabilidade, em que a maioria dos atletas irá continuar em Milfontes.

O que fará o Praia Milfontes voltar a ser visto como sério candidato à subida em 2016-2017.
Quando nos últimos anos ficamos sempre nos lugares da frente, no distrital de Beja acabam sempre por olhar para nós de forma diferente. Mas a subida não será nenhuma obsessão.

Fonte:  http://www.jornalsudoeste.com

Um plantel de qualidade


O Despertar Sporting Clube terminou a fase final do Campeonato Nacional de Juniores da 2.ª Divisão no terceiro lugar, uma posição suficiente para garantir a continuidade na prova na próxima época.

Texto e foto Firmino Paixão


Uma temporada difícil, reconheceu Hugo Felício, o técnico da formação bejense, salientando a qualidade do plantel e a convicção de que as metas desejadas seriam atingidas. O treinador referiu: “Sabíamos que o Campeonato Nacional de Juniores é sempre uma prova complicada e que não é fácil assegurar a manutenção neste campeonato. Há muitos anos que isso não acontecia no clube, mas estávamos cientes de que se trabalhássemos bem, e porque tínhamos qualidade para isso, iriamos conseguir o objetivo principal, que era, efetivamente, a manutenção”.
O técnico confessou: “Quando abracei este projeto foi sempre com a convicção de que seria possível, sabendo que era um objetivo que há muito este clube procurava e que o grupo tinha qualidade para o conseguir”. E sublinhou: “O trabalho que fizemos e, principalmente, a forma como encarámos todos os jogos e a forma como soubemos ler a tabela classificativa, procurando fazer a gestão dos pontos, foi fundamental para conseguirmos, primeiro, manter a vantagem trazida da primeira fase, depois, aumentá-la para conseguirmos garantir o nosso objetivo”.
Hugo Felício anunciou ainda que “alguns jogadores vão sair”, adiantando: “Os que ficarão têm qualidade e temos também qualidade nos juvenis mas, obviamente, vamos ter de nos reforçar, contratando jogadores para assumirem posições chave que formem um grupo regular e capaz de alcançar os objetivos do clube”. O treinador sustentou que “o Despertar é um clube que trabalha muito bem na formação e tem conseguido resultados importantes”. E concluiu: “O Nacional de Juniores é o culminar de um trabalho que vem sendo feito há vários anos, que estes jogadores justificaram. A direção do clube merecia que este objetivo fosse conseguido, por isso o Despertar está de parabéns”. 

Fonte: http://da.ambaal.pt

Um golo e um título


O Campeonato Distrital de Juvenis teve um final empolgante. Na última jornada três equipas podiam ser campeãs. O Despertar foi mais forte e conquistou o título de campeão no terreno do seu principal adversário.
O jovem despertariano Tomás Carrasqueira foi o “carrasco” do Moura, numa partida em que cada uma das equipas só tinha de vencer para conquistar o título e um eventual empate entre ambos ofereceria o triunfo ao Aljustrelense. O jogo foi equilibrado, emotivo e o Moura jogando em casa era favorito, mas o clube teve um dia para esquecer. De manhã perdeu o título de juvenis em casa, à tarde perdeu o de iniciados em Odemira.
O golo de Carrasqueira fez a diferença, num jogo que Pedro Casadinho, treinador dos bejenses, considerou “muito tático, muito calculista”. E assumiu: “Foi complicado chegarmos a esta fase do campeonato depois de um tempo em que andámos sempre atrás do prejuízo e eles trabalharam sempre, porque acreditavam e eu também acreditei sempre neste grupo”. Por isso, adiantou: “Chegámos ao último jogo com o Moura, que era o nosso principal adversário desde o início, não menosprezando as outras equipas, porque o campeonato foi intenso do primeiro ao último minuto, mas foi gratificante ver a alegria dos miúdos, porque são eles que merecem este sucesso”. Uma competitividade que, segundo o treinador, “significa que o futebol distrital evoluiu muito, sobretudo ao nível dos escalões de formação, existe mais competitividade, mais intensidade nos jogos e muitos clubes a trabalhar bem nos escalões mais jovens, o que é bom para o desenvolvimento deste miúdos e para melhoria da formação”.
Casadinho sublinhou ainda: “Entre as três equipas que podiam ser campeãs, o Moura e o Aljustrelense tinham jogadores de segundo ano e a nossa equipa foi constituída com base em jogadores de primeiro ano, e alguns, inclusive, jogavam ao sábado pelos juniores, por isso é que isto sabe melhor”. FP

Fonte: http://da.ambaal.pt/

Um árbitro tolerante


César Leitão nasceu em Aldeia de Palheiros há 28 anos, uma década antes da queda do “meteorito do Carapetel” ter iluminado aquela “aldeia branca onde a lua vem poisar” do concelho de Ourique.

Texto e fotos Firmino Paixão


O seu percurso no futebol começou no emblema do seu concelho, o Ourique Desportos Clube, que representou nos escalões de benjamins, iniciados e juvenis. Aos 14 anos, metade dos que agora lhe suportam uma boa compleição física, mudou o rumo da sua carreira: “Entrei no mundo da arbitragem a convite de um antigo árbitro, Manuel Ventura, para desempenhar as funções de assistente nos jogos do campeonato do Inatel”. Porém, assegura o agora técnico de contabilidade: “Dois anos mais tarde decidi frequentar um curso de árbitros do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Beja e já vão outros 14 anos de carreira de árbitro, dois deles nos quadros do Inatel”.
Contabilizando sucessivos êxitos, o que provavelmente faz por instinto profissional, chegou o tempo de se destacar no plano distrital e tentar novos desafios. Recentemente eleito como “Árbitro do ano”, notícia que recebeu “com enorme alegria e satisfação, foi um sonho tornado realidade”, não tanto com supresa, porque “era uma classificação que esperava, pois a época estava a correr bem e tudo indicava que tal poderia acontecer”, irá no próximo Dia de Camões, 10 de junho, prestar provas para acesso ao escalão nacional.
“Desde o início da época que me foquei nesse objetivo”, confessa César Leitão, concordando que uma boa época de um árbitro também depende da qualidade e das decisões dos seus assistentes: “Claro, todos os meus colegas têm qualidade, de todos os que me acompanharam nesta época, (principalmente André Baltasar e  António Guerreiro), só tenho que agradecer por toda a ajuda”. Os primeiros 10 classificados da categoria C3 ficaram separados por escassas décimas porque, referiu, “todos os árbitros têm bastante qualidade, daí as pequenas diferenças na classificação”. A distinção de “Árbitro do ano” não modificará os seus hábitos: “Continuarei a ser o que fui até aqui, não mudará nada a não ser que irei trabalhar ainda mais e melhor”.
César Leitão considera-se “um árbitro tolerante, gosto de deixar jogar, tento falar ao máximo com os jogadores para que corra tudo bem”, no entanto, nestes 14 anos de carreira, nem tudo foram rosas, por isso, contou que o pior momento deste percurso aconteceu no Campo Celorico Drago, em São Marcos da Ataboeira: “Foi no jogo São Marcos vs Vale Vargo, para a Taça do Distrito de Beja”. E explicou: “Expulsei um jogador do Vale Vargo durante o jogo e, no final da partida, ele dirigiu-se a mim em tons ameaçadores, sendo intercetado pelos colegas da equipa”.
A melhor recordação remonta à época 2009/2010 quando o árbitro João Pereira o convidou para ser seu assistente no quadro nacional, um estatuto que tentará consolidar nas provas que vai prestar no dia 10 de junho, onde estará acompanhado por Pedro Jonas e Miguel Serpa, todos a tentarem ocupar uma vaga no quadro nacional, embora a profissionalização não esteja nos seus horizontes.
O juiz ouriquense, que se inspira no seu colega e amigo André Baltazar, que muito lhe ensinou e ajudou a evoluir, avalia a arbitragem distrital considerando: “Neste momento existem árbitros de grande qualidade. Temos árbitros jovens que podem ter um excelente futuro”, adiantou.
E poderá o seu exemplo incrementar o futebol no seu concelho trazendo, de novo, para a ribalta o Ourique Desportos Clube? “Espero que sim! Apesar de achar que deve ser um pouco difícil. Com esta distinção espero também que as pessoas, principalmente os mais jovens, se interessem pela arbitragem”, conclui. 

Fonte: http://da.ambaal.pt

Muito crer e maior ambição


O Odemirense venceu o Moura na última jornada do Campeonato Distrital de Iniciados e conquistou o título de campeão. À equipa de Odemira bastava o empate, mas queriam vencer o último jogo.

Texto e foto Firmino Paixão


O empate chegava ao Odemirense para ser campeão, o Moura, seu adversário nesta última jornada, teria de ganhar para chegar ao título. O jogo foi equilibrado, a igualdade persistiu até ao último quarto de hora de jogo, altura em que o Odemirense marcou dois golos e festejou o título e a presença no próximo Campeonato Nacional de Iniciados.
Filipe Duarte, treinador dos locais, revelou: “Tínhamos uma meta desde o início da época que era não perdermos nenhum jogo em casa, era esse o objetivo que também trazíamos para o último jogo, sabendo que se não perdêssemos seria campeões”.
Depois elogiou o adversário: “O Moura tem uma excelente equipa e nós, se calhar, fomos campeões pela vontade, pela atitude e pelo crer. Por tudo o que estes miúdos fizeram ao longo da época este título é mais do que merecido”.
Falou no crer, atitude e vontade, não falou na qualidade que este grupo possui: “Claro que o grupo tem muita qualidade, mas sublinhei o crer e a vontade, porque nós temos um plantel muito curto. Desde o final da primeira fase, e em toda esta fase final, que estamos com 14 atletas, devido à lesão de alguns jogadores”. Um título que é também o corolário do investimento que o clube vem fazendo na formação, concordou: “Sim, nós temos muita qualidade na nossa formação, e os atletas que, não tendo tanta qualidade, terão outras características que são também muito importantes e determinantes na coesão das equipas, têm vontade, têm crer e ambição e se continuarem a trabalhar, e se o clube puder continuar a proporcionar condições para que eles possam evoluir e divertir-se praticando desporto, as coisas acontecerão naturalmente”, concluiu Filipe Duarte.

Fonte:  http://da.ambaal.pt